segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Mágico dezembro

Já chegou o mês mais mágico do ano!

As ruas iluminadas, as praças decoradas, os cachecóis e as luvas. A casa cheia, a mesa preenchida, os doces e os salgados. O coração quente, os sorrisos largos, e os abraços apertados. A família, os risos das crianças e as histórias do Avô. 
A minha família. A tua família.

 Espera.

Esquemo-nos daquele velho de barbas que sempre quis ser pedreiro. Ou daquele que dorme numas escadas que queria ser professor. Ou daquela velhinha que sonhava ser professora. Ou então, daquele que simplesmente sempre quis ser feliz. [“Sempre Quis Ser” é o nome da exposição fotográfica que estará no Cais do Sodré até 28 de dezembro].
Esquecemo-nos de olhar. Olhar para o outro. 

Vivemos sobrecarregados. Sobrecarregados de coisas supérfluas, inúteis. Desgastantes. No fim, dizemos que estamos cansados. Cansados de olhar. De observar.

Esquecemo-nos dos sonhos que ficaram pelo caminho. Esquecemo-nos de sonhar. Mas não nos esquecemos de gastar, de comprar. Coisas, objetos, cenas. Onde está o significado? A essência? O simbolismo? Perderam-se. Vivemos num mundo onde automaticamente associamos o Natal a prendas. A triste realidade da sociedade do século XXI. Quanto mais temos, mais pobres ficamos. Pobres de alma.
Esquecemo-nos também de pensar nos sonhos que outros tiveram e que ficaram pelas ruas de Lisboa, ou do Porto. Ou então, na rua da tua casa. Ou da minha. Esses se estivessem sentados à tua mesa de Natal, eram felizes. Não precisavam de coisas, objetos, cenas. Só aquilo. A mesa, as pessoas. A família.

Natal é sinónimo de família, de união, de partilha, de abraço. Natal é dar, dar sem esperar nada em troca. Natal é olhar para as necessidades do outro. Natal é sorrir para o outro. Natal é mais ter coração cheio do que uma mesa cheia. 

As ruas e as casas ficam lindas iluminadas. A árvore de Natal irradia a sala das nossas casas. As prendas dão um ar engraçado. 
No entanto, o mundo seria um lugar ainda mais bonito se fossemos nós a dar essa luz. É essa a magia. A magia do Natal.



mariajoãoguedescastanheira

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Dei-te o melhor de mim

#Como ainda não tive tempo para falar do filme 
que vi na passada quinta feira, aqui vai.


 Poderia ter perdido a estreia deste filme, mas não perdi. O que não podia ter perdido era a oportunidade de ir vê-lo ao cinema. Dos melhores filmes que vi.
Não vou dizer de que se trata o filme. Posso dizer que se trata do destino, de não acasos e de segundas oportunidades.
Acredito no destino e na sua força, logo acredito que existe um motivo para cada um de nós estar aqui. Para estarmos num certo sítio a uma determinada hora, para nos cruzarmos com as pessoas que passam pela nossa vida, e até para perdermos o autocarro ou ficarmos presos no trânsito...
Não existem acasos ou coincidências e todos temos um próposito na vida. Há sempre um motivo, uma razão que explique o porquê de alguma coisa. É aqui que entra o tempo e a sabedoria.
A vida é feita de escolhas e daquilo a que as pessoas chamam acasos - erradamente.
Recomendo este filme, sairão daquela sala de cinema a pensar no filme e nas vossas vidas. Acreditem.

Deixo aqui o link do filme:
 mjgc

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Happy Halloween

doçura ou travessura?

A história desta noite especial, muito antes de pertencer aos vampiros e às bruxas, teve origem celta, há dois mil anos. De 30 de outubro a 2 de novembro, os povos celtas comemoravam o fim do verão numa celebração chamada Stamhain, cujo significado é literalmente 'fim do verão'. Reza a lenda que na noite do dia 30 de outubro os mortos voltavam a povoar a terra e personificavam a figura do fantasma. O objetivo era que os familiares dos mortos deixassem à porta de casa comida e bebida para a receção dos espíritos. Numa noite em que os que se atreviam só saiam de casa se estivessem mascarados de fantasma para conseguir passar despercebido entre eles.

No universo das histórias de terror, é na noite desta sexta-feira que tudo ganha forma e volta à ação. Naquela que é considerada, nos Estados Unidos, a segunda comemoração com mais adesão, a seguir ao Natal, o Halloween conquista cada vez mais território e mais participantes.

  Feliz dia das Bruxas!

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Liebster Award

Olá!

Depois de algum tempo afastada do blog, qual não é o meu espanto, quando vejo que fui nomeada por quatro blogs para o Liebstar Award! 
O Liebstar Award, é uma nova forma que surgiu com o objetivo de dar conhecimento de blogs com pouca visibilidade, escolhendo os favoritos! Os blogs que me nomearam foram: O Desemprego Deu Nisto, The Blue Eyes Girl, KarochinhaaSecrets e Para Além das Páginas da Vida.
Agradeço desde ja a nomeação a todos os magníficos blogs e aqui vão as respostas a algumas perguntas.


 1) Como te defines?
Sou uma eterna sonhadora e apaixonada pela vida. Adoro rir - às vezes até de mim mesma - e sou sensível, bastante até. Sou insegura e não confio facilmente nas pessoas. Sou exigente comigo mesma e gosto de lutar pelos meus objetivos; sou teimosa, também. Sou genuina e normalmente digo sempre aquilo que penso, o que nem sempre é bom. Sou altruísta e preocupo-me com o bem estar de quem gosto.

2) O que te levou a criar um blog?
Criei um blog há quase dois anos. Sempre gostei de escrever. Quando andava na escola primária, a professora nos pedia para escrevermos textos, gostava de ler os meus e pedia sempre para os ir ler à outra turma. Na altura morria de vergonha! 
A paixão pela escrita acompanha-me desde que me conheço, mas às vezes a imaginação tira férias.. No entanto, adoro fotografia, por isso sempre que posso concilio as duas coisas aqui no blog.

3) Qual a primeira impressão do blog que te nomeou?
Eu não estava nada à espera de ser nomeada por um blog quanto mais por quatro. Portanto, vou falar um pouco no geral. Também não posso acrescentar muita coisa porque só depois da publicação vou entrar em contacto com os blogs. Mas posso desde já dizer, que cada um deles me surpreendeu quer pela sua simplicidade, como pela sua originalidade. E agradeço a todas a nomeação!

4) Qual a tua cidade de sonho?
Esta é uma pergunta à qual me é tão difícil responder porque não tenho uma cidade de sonho, tenho várias! São elas, sem ordem: Verona, Roma, Londres Paris, Nova Iorque, Amesterdão.. Tantas! E países como a Suiça, a Lituânia, a Escócia, a Noruega, a Dinamarca que me encantam profundamente.

5) O que fazes nos tempos livres?
Costumo ocupar os meus tempos livres a conhecer sítios novos, aqui em Portugal. Sim, Portugal. Há tanta, mas tanta coisa aqui; e ninguém se dá ao trabalho de conhecer aquilo que é nosso. Nesses síitios aproveito e tiro fotografias. Adoro passear ao pé do mar, na praia. Estou com o meu namorado, amigos e família. Faço desporto, vou ao cinema, às compras, leio livros e sempre que a imaginação vem, escrevo.

6) Qual o produto de maquilhagem, roupa ou acessório favorito?
Ora bem, normalmente não uso maquilhagem, mas uso sempre em ocasiões especiais. No entanto, não deixo de tratar da minha pele com sabão Palmolive, sim sabão da Palmolive! E um creme hidratante da Garnier. Para mim, isto é suficiente. Quanto a roupa, gosto muito da Stradivarius, da Springfield e da Mango.

7) O que ainda te falta fazer?
Por os medos do avesso. Acreditar.

8) Qual tem sido/é o maior desafio da tua vida?
O maior desafio da minha, é viver. Sim, viver. Gosto de dizer que viver é fácil, o que é difícil são os acontecimentos de cada um, as causas, as peripécias, as aventuras, os amores e os desamores, as decisões, as regras, as consequências... Por isso se torna difícil. Viver é um autêntico desafio no qual temos de estar prontos para ganhar e perder. Um autêntico jogo onde não há garantias, onde não há vencedores nem perdedores, porque afinal, cada um de nós é o autor da sua própria história; mais ninguém a escreve por nós. Este é o desafio. Viver no aqui e no agora porque este momento é tudo o que existe, e só assim poderei construir o meu futuro.

9) O que é que te inspira?
A Natureza: mais concretamente o mar, os girassóis e as estrelas!

10) Qual é o teu maior sonho?
O meu maior sonho é ser feliz. Costumo dizer que nós criamos a nossa própria felicidade, nós construímos o caminho. É preciso criar mais pontes e construir menos muros.


Regras a seguir:
  • Responder a todas as perguntas; 
  • Referir o link do blogue que te nomeou;
  • Nomear entre 5 a 10 blogues com menos de 200 seguidores;
  • Obrigatório informar os blogues da nomeação; 
  • Fornecer aos blogues nomeados o link para a publicação em causa (para que lhes seja explicado o que devem fazer).

Os blogs nomeados são: 


Aqui ficam as perguntas: 

1) Como te defines?
2) O que te levou a criar um blog?
3) Qual a primeira impressão do blog que te nomeou?
4) Qual a tua cidade de sonho?
5) O que fazes nos tempos livres?
6) Qual o produto de maquilhagem, roupa ou acessório favorito?
7) O que ainda te falta fazer?
8) Qual tem sido/é o maior desafio da tua vida?
9) O que é que te inspira?
10) Qual é o teu maior sonho?

mariajoãoguedescastanheira

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Verão: Férias 2014 | Travel Around #8

Como sabem, fui de férias durante duas semanas e meio para o Sul. A primeira paragem foi Lisboa, passei lá três dias com o meu namorado. Visitamos o Jardim Botânico, almoçamos na Hamburgueria do Bairro, andamos pelos bairros de Alfama e ainda passamos por Monsanto. Ainda houve tempo para passar uma tarde na Praia da Mata na Costa da Caparica. No domingo partimos em direção ao Algarve, fomos para Monte Gordo e não podíamos ter passado férias melhores. 
Ir ao Algarve e não ir à praia é o mesmo que ir a Roma e não ver o Papa; por isso, a praia era paragem obrigatória todos os dias. As férias foram passando entre idas às praias de Espanha, passeios de gaivota no mar, jantares especiais, cafés no Oceano, jogos de matraquilhos, gelados no sítio do costume, passeios à beira-mar, gargalhadas na piscina, miminhos quando adoeci, e não me posso esquecer, do céu estrelado que todas as noites era contemplado!
Foram umas férias boas, foram sim. Estou grata por isso. Agora é altura de regressar às aulas e entrar com o pé direito para uma nova etapa.
Deixo algumas fotografias que foram tiradas durante as férias, espero que gostem!


Torre de Belém

Jardim Botâncio da Universidade de Lisboa
Alfama, Lisboa
Jardim Botânico da Universidade de Lisboa
Praia de Monte Gordo

Isla Canela
Cabanas de Tavira
Serpa
Muralhas do Castelo de Serpa
Serpa
Rio Guadiana
Beja
Alvito

Santuário da Nossa Senhora do Castelo, Coruche

Coruche
Leiria

  mariajoãoguedescastanheira

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Parece que vou de férias

I am a lucky girl. 

Vou mais duas semanas e meia de férias. Desta vez para o Sul: Lisboa e Algarve. Parto amanhã, bem cedinho - às 7h! Fico três dias em Lisboa e domingo vou para o Algarve. Mal posso esperar!! Vou aproveitar os últimos "cartuchos" antes de começarem as aulas.
Como tal, vou estar bastante tempo sem passar pelo blog, só volto para cima dia 6. Espero conseguir escrever algo e tirar fotografias, como sempre!

Sejam felizes!

fotografia da minha autoria.

mariajoãoguedescastanheira

domingo, 17 de agosto de 2014

A magia está nas estrelas


Serra da Estrela. Um noite de verão, (finalmente). Vou para o alpendre e sento-me na cadeira de baloiço. Apago a luz para assim me habituar à escuridão da noite. 
Vim assistir a um espetáculo, não pago bilhete nem tenho lugar marcado. E podem acreditar que para este, cinco estrelas não chegariam para qualificar e/ou quantificar o mesmo.
Vim observar as estrelas.  
É uma imensidão!

Retiro a minha máquina fotográfica da bolsa. Tento tirar uma fotografia. Tentativa falhada... O ecrã da máquina aparece escuro. Volto a tentar tirar outra, mas desta vez com flash. Mais uma tentativa falhada. Não consigo fotografar as estrelas. Ou então, elas existem simplesmente para serem observadas, não fotografadas. 
Estão lá todas as noites à espera de serem observadas por nós. Mas são raras as pessoas que as observam, simplesmente porque andam demasiado atarefadas e já nem conseguem parar. Desculpas. Para mim o tempo é apenas uma desculpa. Enquanto andarmos aqui temos todo o tempo do mundo, não podemos é perder tempo.
A verdade é que nunca sabemos quando será a última vez que vemos as estrelas.

[A culpa não é das estrelas; quanto muito é da consciência humana e daqueles que não as veem. As estrelas são felizes porque não podem ser infelizes. Elas não têm a liberdade de ser felizes, elas têm de ser felizes. A sua felicidade é inconsciente, é simplesmente natural. Os seres humanos são infelizes porque escolhem sê-lo. Parece bastante simples, não é? Mas é simples, nós que é gostamos de complicar.]

Sinto-me grata. Agradeço a Deus e ao Universo pela oportunidade que me dão cada noite de poder contemplar, simplesmente contemplar. 

Sorrio. 
Passa uma estrela cadente. 
Peço um desejo. 
Agradeço.
É magia.

De facto, "o mundo não foi feito para nós, nós é que fomos feitos para o mundo."

  
mariajoãoguedescastanheira

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Uma pausa

Vou estar uma semaninha longe da confusão da cidade. Quero aproveitar para escrever, ler, apanhar sol e descansar, principalmente. Vou à procura de inspiração e de imaginação junto do ar puro e fresco, ao som do rio e das quedas de água, em dias de sol ou em noites de céu estrelado, tendo como música de fundo, os canto dos passáros ou dos grilos. 
A Serra da Estrela espera por mim.

fotografia da minha autoria.


mariajoãoguedesastanheira

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Eu e os girassóis

 

Já é certo e sabido de que sou uma eterna apaixonada por girassóis; mas toda a gente sabe que não posso passar a vida a falar de girassóis, pela simples razão de que nem tudo gira à volta deles; quanto muito, giram sobre eles próprios.
Para dizer a verdade, gostava de ser um girassol; mas Deus ou o Universo "fizeram" de mim um ser humano, um ser vivo como o girassol - aliás, até acho que é uma das poucas coisas que temos em comum. Mas não me "fizeram" um girassol. Eu só queria ser um girassol. É mais fácil ser-se girassol. Eles não pensam, eu penso; eles sentem, eu não. E por mais que pense, não me ocorre nada para falar a não ser de girassóis (quem sabe se na outra vida não terei sido um girassol, se é que essa coisa das outras vidas realmente existe). 
Pode dizer-se que tenho um fascínio por girassóis, simplesmente porque é uma flor que fala por si. É tão fácil ser girassol. Só têm uma preocupação: procurar o sol e ter alguém que os regue uma vez ou outra, ou então que caia do céu uma chuva pequenina, (daquelas com cheiro a terra molhada).
Não quero que entendam, caros leitores, que estou mal com a vida que tenho, mas a verdade é que estou mal com a vida que tenho porque não sou um girassol (e isso já é motivo suficiente!). E por mais que queira ser um girassol, agora é tarde, porque na verdade, "o mundo não é uma fábrica de conceder desejos".
Só me resta uma solução: aceitar. Simplesmente aceitar, como fazem os girassóis, caso o sol decida andar escondido atrás das nuvens.

 mariajoãoguedescastanheira


quarta-feira, 30 de julho de 2014

Dia da amizade

Hoje é o dia de amizade - ultimamente o que tenho visto é "dia isto, dia daquilo", há um dia para tudo, portanto.. Mas não estou aqui para falar de dias, nem para falar do dia da amizade, mas sim para falar da amizade ou dos dias da amizade!
Faltam-me as palavras no que toca a uma definição de amizade; para mim, cada pessoa tem a sua própria definição baseada nas suas experiências. Pelo menos comigo é assim. A amizade é um sentimento tão belo e verdadeiro - parto do príncipio que se é amizade é verdadeira, se não o é, então é porque não é amizade. A amizade passa pela simplicidade, pela honestidade, pelo respeito, pela partilha, pelos "sins", mas também pelos "nãos".
Da palavra amizade, nasce a palavra amigo. Oh, como eu gosto tanto dos meus amigos! A amizade é todos os dias, a toda a hora em qualquer lugar. É sorrir, chorar, rir, abraçar, perdoar, ajudar! É uma constante da vida, defenida por aqueles que se atrevem a dar o melhor de si. E no fim, o mais importante é valorizá-los todos os dias, como eles verdadeiramente merecem. 
Sejam amigos, amigos felizes!


“Friendship is unnecessary, like philosophy, like art.... It has no survival value; rather it is one of those things which give value to survival.” - C.S. Lewis 
mariajoãoguedescastanheira 

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Monção: Quinta de Santo António | Travel Around #7

Encontrei sem querer o sítio ideal para se passar uns dias maravilhosos onde reina a tranquilidade e a harmonia e onde a Natureza é senhora de si mesma. 


Fui passar dois dias ao Minho, fiquei hospedada na maravilhosa Quinta de Santo António, que fica entre Monção e Melgaço. A Quinta dispunha de seis apartamentos - ou casinhas, como eu gosto de lhes chamar, porque são simplesmente adoráveis! - cada um com um respetivo nome. O nome da minha era: A Casa do Padeiro - uma acolhedora e rústica casinha com uma vista lindíssima para as montanhas espanholas! 
A Quinta dispõe ainda de uma sala comum com lareira e uma mesa de bilhar - onde também se pode jogar xadrez, uma sala de pequenos almoços que são tão saborosos (que estão incluídos na reserva) e uma maravilhosa piscina onde se pode apanhar excelentes banhos de sol. A Quinta tem ainda um recanto: O Cantinho da Avó que é simplesmente maravilhoso: coberto pelas vinhas, com uma cama de rede, uma mesa redonda de pedra ao centro - ideal para ler e relaxar.
Recomendo vivamente este espaço de turismo rural, excelente para passar uns dias com a família ou a dois. É sem dúvida, um paraíso nas montanhas!

Quinta de Santo António
Sala de Pequenos Almoços
Pequeno Almoço
Casa do Padeiro
Piscina








Cantinho da Avó


Para mais informações podem consultar o site: http://quintasantoantonio.com/wp/
Ou a página de facebook: https://www.facebook.com/qtasantoantonio?fref=ts


mariajoãoguedescastanheira

domingo, 27 de julho de 2014

Uma pequena nota

A todos aqueles que seguem ou leem o meu blog: desculpem. Sei que tenho estado tão ausente e que já não escrevo há alguns meses. Simplesmente às vezes, faltam-me as palavras para escrever, falta-me a imaginação e a inspiração que em tempos tinha a toda a hora. Lamento por isso. Desde que me lembro que adoro escrever, e nunca vi razão para deixar de o fazer, porque me fazia sentir tão bem, tão feliz e realizada. Escrever faz bem à alma!
Sempre ouvi fizer que escrever é usar as palavras que não se dizem, e que se falarmos demais, já não escrevemos, pois não há mais nada para escrever. Com isto só posso concluir que ando a falar demais!
Posso dizer que daqui para a frente vou estar mais presente tanto aqui no blog, como também na respetiva página do facebook:

mariajoãoguedescastanheira

quarta-feira, 28 de maio de 2014

A minha pessoa preferida

Todos temos uma pessoa preferida; a minha é o meu melhor amigo, o meu amor - é o Pedro.


Conheci o Pedro numa noite quente de verão, no Algarve - mas antes de o conhecer, já o tinha visto umas três vezes, como se estivesse destinado a cada um dar os seus passos para estar ali naquele preciso momento. Escrevi-lhe um bilhete... Longe estava eu de pensar que aquele moreno giro de olhos verdes, seria hoje, o meu namorado.
O amor acontece. A mim foi quando eu menos estava à espera (ainda por cima numa noite de verão!), numa simples e ternurenta troca de olhares e verbalizou-se num bilhete.
Encontrei sem procurar o que muitos procuram sem encontrar.
O Pedro tornou-se o meu melhor amigo, o meu companheiro, o meu namorado. Tornou-se a minha pessoa preferida - não o é por não ter defeitos, porque tem - simplesmente é a pessoa com cujos defeitos eu aprendi a lidar. Ajuda-me no que pode e no que não pode, e mesmo estando ausente fisicamente, consegue fazer-se sentir sempre presente.


 Conhece o melhor e o pior de mim, atura todas as minhas cenas e mesmo assim, continua aqui, desde o início. Amo-o por isto e por muito mais. Amo-o porque sabe sempre o que dizer nas alturas certas, porque está aqui para mim nos meus piores momentos e porque aquece a minha alma quando ela está fria. Amo-o porque me faz querer ser melhor pessoa e desperta o melhor em mim. Amo-o porque me abraça quando eu mereço e até quando eu não mereço. Amo-o porque me ensina tudo o que sabe, porque cozinha para mim, porque me diz coisas queridas quando eu menos estou à espera. Amo-o porque tira fotos parvas comigo e porque se ri das minhas piadas secas. Amo-o porque partilha as suas coisas comigo e me pede opinião em decisões que tem de tomar. Amo-o porque não desiste de mim. Amo-o por todos os motivos e mais alguns e porque não existe outra forma de amar, senão esta que eu sinto por ele. Amo-o porque me faz sentir a pessoa mais feliz do mundo!


És simplesmente a melhor pessoa que conheci, Pedro. Amo-te, tanto!

 
p.s.: Não. Hoje não é um data especial. Não fazemos anos, meses, semanas ou dias de namoro. Não é o aniversário dele, nem o meu. Apenas um dia como outro qualquer; afinal, os dias não precisam de ser especias para valorizarmos as pessoas..

mariajoãoguedescastanheira

domingo, 18 de maio de 2014

Bom Jesus de Braga | Travel Around #6

Há uns dias, estive na cidade de Braga; passei a tarde no Bom Jesus e o que eu não sabia é que atrás do Santuário existe um mundo quase surreal, uma floresta com árvores enormes e um lago onde se pode andar de barco.
Adorei aquele sítio, transmite uma paz enorme! Consegui estar ligada à Natureza e ouvir os seus sons - os pássaros a cantar, o barulho das folhas, o vento, pequenas quedas de água.
Vou deixar aqui algumas fotografias, espero que gostem!












  mariajoãoguedescastanheira